betbetcasino -O impresso no pacote anunciado: "O Arroz Velho Chico é produzido pelo campesinato do Baixo São Franc

O Arroz Velho Chicobetbetcasino -- Transição Agroecológica e Rompimento

O impresso no pacote anunciado: "O Arroz Velho Chico é produzido pelo campesinato do Baixo São Francisco,çãoAgroecolóbetbetcasino - em Sergipe, a partir de práticas agroecológicas: com redução do uso de agrotóxicos. Ao consumir nossos alimentos, você contribui com a preservação dos recursos naturais e promove a economia socialmente justa, solidária e sustentável".

Continua após publicidade

O anúncio está acompanhado dos símbolos do Movimento dos Pequenos Agricultores, o MPA, e do Balaio de Solidariedade, projeto de iniciativa da Cáritas Nordeste 3 com o objetivo de fortalecer grupos socioprodutivos e a comercialização de produtos do campesinato, com destaque para o Arroz Velho Chico. (1)

Esse anúncio pode ser considerado um resumo da história de como a região e as relações de trabalho no Baixo São Francisco têm sido revitalizadas e melhoradas, a partir do trabalho do campesinato organizado pelo MPA para o plantio agroecológico de arroz. Desde 2016, o MPA, em parceria com a Cáritas, desenvolve o processo de transição agroecológica junto aos pequenos produtores da região, permitindo que alterem a forma de produzir arroz no Baixo São Francisco, trocando o cultivo baseado em agrotóxicos para o cultivo baseado em práticas agroecológicas. 

A rizicultura é, historicamente, um dos mais importantes cultivos para a exploração econômica do Baixo São Francisco. Ao longo do tempo, a produção de arroz nessa região - que abrange cidades dos estados da Bahia, Pernambuco e Sergipe -, sofreu modificações causadas pela construção de barragens. E entre os anos de 1990 e início dos anos 2000, mais acentuadamente, foi, assim como ocorreu no restante do país, atingida pelo avanço das práticas de cultivo do agronegócio.  

:: Do campo à cidade: conheça o caminho dos alimentos agroecológicos que vieram à Feira do MST::

A região é a "única no Baixo São Francisco que possui as várzeas banhadas pelo Velho Chico". São mil quinhentos e seis lotes distribuídos entre famílias de pequenos agricultores ainda no período da ditadura militar, em um tipo ato que visava, não a distribuição de terras, mas a construção de barragens e a exploração econômica da região. Os lotes, de aproximadamente 3,8 hectares, estão nos territórios de cinco a seis municípios das áreas chamadas de lagoas, por serem banhadas naturalmente pelo Velho Chico, antes da construção de barragens, e com o apoio de sistemas de irrigação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, a Codevasf, após. 

O processo de transição agroecológica da produção organizado pelo MPA, teve início com a chegada do movimento social no Baixo São Francisco. Apoiados na experiência de militantes campesinos do Rio Grande do Sul com a rizicultura, o primeiro lote de arroz foi plantado na comunidade de Santa Cruz, em Propriá, dando início a uma experiência que, em sua terceira lavoura recebeu o apoio financeiro do Banco Mundial, através do projeto Dom Távora. 

Este foi um aporte de recursos importante para apoiar a implementação de lavouras com a transição agroecológica mediante à ausência de políticas governamentais. Permitiu que os rizicultores se familiarizassem com a experiência e se abrissem à transição agroecológica em larga escala.

O projeto "financiou a lavoura sem custo, e isso deu uma ótima produção, a gente fez um bom ato de abertura da colheita [...] assim, se consolidou e nós [...] determinamos que o arroz se chamaria Velho Chico. Conseguimos imprimir a marca e o saquinho do arroz para poder empacotar". 

Elielma Barros, uma das coordenadoras da iniciativa pelo MPA, pontua que foi o "MPA em articulação com a Cáritas diocesana de Propriá que construiu o trabalho com os rizicultores, bebendo da experiência de camponeses assentados da Reforma Agrária no Rio Grande do Sul".

:: Reforma agrária é reparação histórica", diz sem-terra, aos 135 anos da abolição da escravidão::

De acordo com Elielma, essa experiência foi construída a partir da compreensão pelo MPA de "que o modelo tecnológico de produção é o modelo agroecológico, com a produção de alimentos saudáveis, a geração de renda para as famílias da região e, sobretudo, para o contraponto do modelo produtivo predominante no Baixo São Francisco, com o uso de veneno e o monopólio do mercado".

A partir de reuniões, encontros de formação e visitas aos pequenos agricultores, a transição foi articulada de modo a cobrir o beneficiamento, a comercialização e demais processos da produção com práticas agroecológicas. As famílias envolvidas na produção são camponesas, ribeirinhas trabalhadoras da rizicultura por gerações.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap