pag bet -Minhas primeiras atividades na luta pela terra foram aos 14 anos, no Paraná. Trabalhava como bóia-fr

Reforma apag bet -grária em destaque

Minhas primeiras atividades na luta pela terra foram aos 14 anos,pag bet - no Paraná. Trabalhava como bóia-fria e vivia na pele as contradições do latifúndio. Anos depois, em 1996, a militância no MST me levou a Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. E ano passado fui eleita a primeira deputada sem terra do Rio de Janeiro, estado com a segunda maior região metropolitana do Brasil, uma área rural rica e diversa, mas bastante invisibilizada.

Continua após publicidade

Trago para o parlamento minha luta contra o agronegócio.

O agro se caracteriza atualmente pela presença de empresas transnacionais que disputam o campo e as pessoas que ali vivem e trabalham. Com a crescente mercantilização da agricultura, surgiu a necessidade dos camponeses se organizarem. Movimentos populares do campo têm buscado resistir a este modelo construindo outras formas de desenvolvimento.

:: Governo destina para reforma agrária fazenda utilizada para tráfico de mulheres ::

No Brasil, a “coincidência” do crescimento pujante do agronegócio e, ao mesmo tempo, da fome, pintou em tela o que sempre soubemos: é o povo do campo quem coloca alimentos na mesa. Se por um lado, tivemos nos últimos anos cada dia mais a população passando fome, do outro tivemos o agronegócio batendo recordes de lucro. Estamos deixando de produzir aipim, arroz e feijão para avançar nas monoculturas de soja, milho e cana-de-açúcar para a exportação.

O agronegócio é sinônimo, também, do despovoamento como resultado do uso de agrotóxicos e de uma forte mecanização, que prescinde da força de trabalho camponesa, expulsando-a das áreas rurais. Gera fome, miséria e doença. O agronegócio quer aumentar a produtividade e, para isso, sua meta é o aumento do uso de agrotóxico e transgenia.

:: Reforma agrária: conheça como os EUA distribuíram suas terras ::

Os transgênicos e os agrotóxicos trouxeram um intenso e complexo debate sobre o papel da ciência, do saber e sua relação com os destinos da humanidade. Com isso, a disputa ideológica pelo mercado consumidor se tornou estratégica sobre o campo da política. A imagem construída do agronegócio, autointitulado como pop, impõe aos movimentos sociais uma estratégia para ampliar o debate sobre a qualidade dos alimentos.

Para nós, do MST, pop é a luta pela terra.

Nossos objetivos, além da reforma agrária baseada na Constituição, incluem fortalecer a agroecologia e avançar na luta contra os agrotóxicos e em defesa da natureza. Lamentavelmente, o agro desconsidera a cultura do campo como natureza viva ao reproduzir a lógica mercadológica no meio ambiente e em toda a cadeia de produção alimentar, deixando a população à mercê da fome e da subnutrição.

Defendemos a reforma agrária popular por ser um conjunto de políticas capazes de produzir alimentos, gerar desenvolvimento, renda, e de promover a justiça social nas áreas rurais do nosso país. Nossa pauta precisa ser baseada na fartura, da vida, da comida, das alegrias e da paz.

Marina do MST é deputada estadual do Rio de Janeiro.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Mariana Pitasse


Relacionadas

  • Governo do RJ publica decreto para que tropas de elite das polícias instalem câmeras em fardas

  • Município do Rio irá cancelar subsídios para ônibus em mau estado de conservação

  • No Rio, curso de produção cultural abre inscrições para pessoas não brancas, mães solo e trans

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap